domingo, 17 de junho de 2012


PRESERVAÇÃO DA NATUREZA

Pensando na Conferencia, que ora se inicia, no Rio, fiz uma viagem ao passado, quando havia maior preservação da natureza.
Sou portuguesa (Vila Nova de Gaia). Vim para o Rio de Janeiro com sete anos de idade. No lugar em que nasci, todos tinham seu pedacinho de terra, onde plantavam verduras, legumes, frutas e o que mais a terra desse. Na casa que moravamos, também minha avó cultivava. E tinhamos frutas, verduras e até flores. Muitas flores, que a avó cuidava. Era um lugar lindo, encantador!
Voltei lá vinte anos depois. Quanta tristeza! Decepção e revolta! Cimentaram o quintal onde havia todo o plantio e até fizeram a porcaria de uma casinhola. Todos os outros campos, ao redor, estavam queimados ou destruidos, em completo abandono. Uma tremenda devastação, para construirem casas. Muitas casas.
Se, naquele lugar pequeno está deste jeito, eu fico imaginando o resto. Não adianta promoverem Conferencias. Cada pessoa tem que se conscientizar, evitando toda espécie de agressão a natureza, que vem ocorrendo.

10 comentários:

Catarina disse...

Conferências e mais conferências e poucos resultados positivos.

Paloma disse...

CATARINA, é isso mesmo. De nada adiantam estas conferencias. Só servem para tumultuar a cidade.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Vale sempre a pena, Paloma. Quer um exemplo? Há 20 anos ninguém pensava separar os lixos domésticos. Hoje, em Lisboa e algumas outras cidades portuguesas, essa separação é obrigatória.
As coisas são lentas mas, apesar de tudo, vamos evoluindo na construção de um mundo mais sustentável.
Beijinho

Beth/Lilás disse...

Oi, Paloma!
Você disse tudo neste pequena observação que teve sobre o que foi transformado na casa de sua meninice, pois as pessoas acham que é mais prático lavar piso do que regar um jardim, uma flor.
Pena esta visão tão estreita de muitos!
A Rio+20 não será tão eficaz como muitos imaginam, mas é sempre movimentos que trazem pequenas coisas boas ao planeta.
beijos cariocas

Paloma disse...

CARLOS, só lamento que o resultado seja tão pequenino, mediante um evento tão grandioso.


BETH, torço muito para que haja algum saldo positivo.Minha decepção com o lugar onde nasci,foi tão grande, que me faz desacreditar.

Rosa dos Ventos disse...

Muita teoria mas o que realmente se faz está em desacordo com o que se defende!

Abraço

Maria Rodrigues disse...

Concordo com o Carlos as coisas podem ser lentas, mas é importante ir passando a mensagem. É claro que ficou triste por ver em cimento todo o espaço lindo de outrora, mas acredito que cada vez mais as pessoas vão começando a tomar consciência da importância de cuidar e preservar o planeta.
Beijinhos
Maria

Lilá(s) disse...

Vamos com calma, alguma coisa se vai conseguindo, pena que não seja com a rapidez desejável.
Bjs

Evanir disse...

Algumas amizades são para sempre. Não há nada que se compare ao aconchego de uma
amizade do tipo caloroso e duradouro. Uma amizade baseada em pensamentos carinhosos,
em generosidade e franqueza, momentos partilhados, palavras de apoio e louvor.
Uma amizade que cresce através dos risos e lágrimas, momentos bons ou maus, sempre
mais forte e profunda...
*Ricardo Martins Santos*
È essa amizade que tenho por você repleta de amor e infinita ternura,,
pois amizade verdadeira é para sempre.
Nesse clima de amizade e saudades de visitar você
com carinho desejo um final de semana na paz e na luz.
Beijos no seu coração.
Evanir.

Paloma disse...

Sim, amigos, é muito movimento para pouco resultado. A impressão que fica é de que não chegaram a uma conclusão.
Ficam os discursos e as intenções.