terça-feira, 11 de outubro de 2011

INTOLERÂNCIA
Moro no centro da Cidade do Rio de Janeiro, próximo a Prefeitura e a poucos minutos do Aeroporto Santos Dumont, que só opera com voos domésticos: São Paulo, Brasília, Curitiba e assim por diante. É lógico, natural e compreensivo que os aviões tenham que passar por sôbre a Cidade para posar no aeroporto. Diga-se de passagem que, esta rota é alternativa, não sendo utilizada diariamente, indo os aviões por outras rotas. Mas, aí entra a intolerância de muitos, que se sentem incomodados com o barulho dos aviões passando. O que querem? Que os aviões passem em silêncio? Garanto que, no asfalto, existem barulhos muito mais incomôdos do que o dos aviões. Mas, ninguém ousa queixar-se, por diversas razões. Gente intolerante e injusta, esta que nos rodeia.

13 comentários:

Catarina disse...

Há pessoas que apenas se sentem bem reclamando. Reclamam por tudo e por nada e pouco fazem para mudar a situação.
Quando se compra uma casa ou mesmo quando se aluga (e se fica um aeroporto na proximidade) será melhor informar-se primeiro sobre a poluição sonora! : )

Paloma disse...

CATARINA, essas pessoas esquecem que o aeoroporto estava lá há mais anos que seu belos apartamentos.

Cida disse...

O problema é que certas pessoas gostam mesmo é de reclamar!

São as mesmas que reclamam quando chove, quando faz sol, quando faz frio, quando faz calor... e por aí vai...

Se ao invés disso, passassem a agradecer a Deus por ter um teto sobre a cabeça, enquanto tantos vivem ao relento!...

Como eu moro em uma avenida, as pessoas aqui do prédio costumam reclamar muito do barulho da rua, e eu sempre brinco com elas, e digo:- pois para mim, é música para os meus ouvidos!
Hehehehehe

Quer saber? Os incomodados, que se retirem!

Beijão pra você, menina.
Tenha um lindo e feliz feriado.

Cid@

Paloma disse...

CIDA, o mundo está cheio de implicantes. Imagine só, um aviãozinho passando, de vez em quando. Chego a janela,olho e junto com ele, meu pensamento também voa. Gosto de ve-los passar e até estranho quando não passam.

maria teresa disse...

Aí como cá, há sempre vozes que discordam, às vezes sem saberem bem porquê...
Beijo meu!

Paloma disse...

MARIA TERESA, o que mais me contraria é saber que existem tantas coisas sérias a serem resolvidas em beneficio de todos e essas pessoas empenhadas em mandar ¨ desviar os aviões e levar para bem longe o Aeroporto ¨ não se incomodam.

Laura disse...

Ó amiga, convenhamos que o barulho dos aviões é demais, demais e claro, mexe com quem descansar, quem está doente e outros a quem a vida não corre pelo melhor, logo...aeroporto em cima da cidade, é obra... mas, tem de ser.

beijinhos.

laura

Beth/Lilás disse...

Oi, Paloma!
Bem, eu dou graças a Deus por não morar perto do aeroporto então, pois eu não aguentaria o sobe e desce dos motores. Penso como a Laura aí acima, lugar de aeroporto deveria ser o mais longe dos grandes centros, inclusive pouparia muitos transtornos, não só o barulho.
bjs cariocas

Paloma disse...

LAURA e BETH, o Aeroporto Santos Dumont começa a funcionar as sete horas da manhã e encerra as 11 horas da noite. As rotas são alternativas, ou seja, não é todos os dias que os aviões passam pelo centro da Cidade.Durante um bom tempo esteve fechado para reforma e havia muitas reclamações de que os passageiros tinham que ir para o Aeroporto Internacional,que fica distante do centro da Cidade.
Como se pode ver,não dá para satisfazer a todos.

Dulce disse...

E sem contar que quando esses aeroportos (Santos Dumont, no Rio, e Congonhas em São Paulo_ foram construídos, eram lugares isolados. Foi a cidade que os envolveu com o passar dos anos. Exatamente como acontece com o Aeroporto internacional de Cumbica (SP), construido bem longe dos centros urbanos e que já tem em volta bairros inteiros...

Beijos e uma boa noite para você.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Há pessoas que vivem caladas toda a vida perante as injustiças e os horrores do mundo, mas assim que lhe tocam numa pequena parte do seu sossego egoísta, desatam aos gritos.

Paloma disse...

DULCE, é exatamente isto que acontece aqui. Primeiro vieram os Aeroportos. Mas, em seguida começaram a povoar ao redor. Agora, tem residências quase dentro da pista de pouso. Por isso, afirmo, total intolerância.

Paloma disse...

CARLOS, vejo que entende meu ponto de vista. Uma coisa tão pequena incomodando e chegam a apelar para abaixo assinados e todo tipo de reclamações e pressões, de forma egoista e intolerante.